Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

madrugada
No comando: Madrugada 93

Das 00:00 as 05:00

normal
No comando: Programação normal

Das 05:00 as 06:00

territorio
No comando: Território Sertanejo

Das 05:00 as 07:00

saudade
No comando: Saudade Sertaneja

Das 05:00 as 07:00

bom-dia-93
No comando: Bom Dia 93

Das 06:00 as 08:00

normal
No comando: Programação normal

Das 08:00 as 10:00

93-minutos
No comando: 93 Minutos

Das 09:00 as 10:30

as-campeas
No comando: As campeãs da 93

Das 10:00 as 11:00

normal
No comando: Programação normal

Das 10:30 as 11:00

programadores
No comando: Programadores 93

Das 11:00 as 12:00

93-graus
No comando: 93 Graus

Das 12:00 as 13:00

arquivo
No comando: Arquivo 93

Das 12:00 as 13:00

alo
No comando: Alô 93

Das 13:00 as 16:00

normal
No comando: Programação normal

Das 13:00 as 20:00

normal
No comando: Programação normal

Das 13:00 as 22:00

as-campeas
No comando: As campeãs da 93

Das 16:00 as 17:00

sertanejo
No comando: Sertanejo 93 FM

Das 17:00 as 18:00

corneteiros
No comando: Corneteiros 93

Das 18:00 as 19:00

noite
No comando: Noite 93

Das 20:00 as 00:00

noite
No comando: Noite 93

Das 22:00 as 23:59

População de baixa renda é a que mais utiliza o cheque especial

Compartilhe:
2oimcf1mur_4jlun4yxed_file

Os brasileiros mais pobres e com menos escolaridade são as maiores vítimas dos altos juros cobrados pelos bancos no cheque especial. A modalidade de empréstimo mais simples, porém mais cara do mercado tem sido à saída dos trabalhadores com menor renda para fechar as contas no fim do mês.

Um estudo do Banco Central mostra que 43,9% dos usuários do cheque especial têm renda inferior a dois salários mínimos e 12,5% estão com os pagamentos em atraso. Outros 33,5% dos clientes que usam esse tipo de crédito ganham entre dois e cinco salários, com 6,4% de inadimplência.

A taxa média cobrada pelos bancos no cheque especial passou de 322,7% ao ano em março para 323,3% em abril.

Em dezembro do ano passado, o saldo do cheque especial totalizou R$ 21 bilhões e 980 milhões, dos quais R$ 3 bilhões e 380 milhões estavam inadimplentes.

(Redação 93 FM/Uol)

Deixe seu comentário: